Casa Folha na Flip promove debates sobre arte e história
29/06/2015
 

Espaço em Paraty terá palestras com pesquisadores e colunistas do jornal

Evento terá conversas sobre crise política do país, história do Brasil e de SP, maconha, crítica literária, cinema e fé.

DE SÃO PAULO
A Folha vai promover durante a Flip (Festa Literária Internacional de Paraty), de 1º a 5 de julho, uma série de debates e lançamentos de livros.

Nesta edição do evento literário, a Casa Folha vai ocupar um imóvel na rua do Comércio, nº 8, no centro histórico da cidade.

A programação é gratuita e traz conversas com colunistas da Folha e escritores.

Esta é a quinta vez em que o jornal terá um espaço com programação gratuita na festa literária. A Folha é parceira oficial de mídia da Flip.

Na casa haverá uma livraria que venderá coleções da Folha, livros da Publifolha e do Três Estrelas (selo editorial do Grupo Folha).

A casa também terá exposição fotográfica de reportagens da Folha, exemplares gratuitos do jornal para frequentadores e oferecimento de café Melitta.

O artista plástico Renato Koledic vai expor seus trabalhos e fará caricaturas do público que visitar o local, de quinta a sábado. À noite, haverá música ao vivo.

A primeira atividade da programação, às 10h30 do dia 2/7 (quinta), será um bate-papo com Carlos Heitor Cony, um dos principais escritores vivos do país, autor de "Pilatos" e "Quase Memória", entre outros romances.

O mediador da conversa será Sérgio Dávila, editor-executivo da Folha.

No mesmo dia, às 14h30, o jornalista Bernardo Mello Franco e Guilherme Boulos conversam sobre a crise política brasileira.

Na sexta (3/7), Luiz Felipe Pondé fala sobre a cultura do narcisismo. Em seguida, autografa seu novo livro, "Os Dez Mandamentos (+Um)" (Três Estrelas), no qual analisa cada um dos mandamentos e sugere um novo, sobre o pessimismo, inspirado nos textos de Kafka.

Às 14h30, a questão das drogas será debatida pelo historiador Jean Marcel França e Ilona Szabó, da Comissão Global de Políticas sobre Drogas, órgão da ONU. Logo depois França autografa o livro "História da Maconha no Brasil" (Três Estrelas).

No mesmo dia haverá uma conversa sobre história entre a antropóloga Lilia Moritz Schwarcz e o jornalista Roberto Pompeu de Toledo.

Lilia publicou em maio, em parceria com a historiadora Heloisa Murgel Starling, "Brasil: Uma Biografia" (Companhia das Letras). No mesmo mês Pompeu lançou "A Capital da Vertigem - Uma História de São Paulo de 1900 a 1954" (Objetiva).

No sábado (4/7), às 14h30, Demétrio Magnoli aborda a posição do Brasil no mundo. Em seguida, autografa "A Hora e a História" (Três Estrelas), reunião com textos publicados na Folha, no "Globo" e no "Estado de S. Paulo".


fonte: Folha de São Paulo