Biografia - Década de 60

1960 - Separa-se da primeira mulher. Lança Tijolo de Segurança. O pai se aposenta no Jornal do Brasil.

1961 - Ingressa no Correio da Manhã e lança Informação ao Crucificado. É preso por horas na Chefatura de Polícia ( rua da Relação) por ocasião da renúncia de Jânio Quadros.

1962 - Cobertura da crise Argentina em Buenos Aires (deposição de Frondizi). A convite de Moniz Vianna e Fuad Atala, começa a escrever crônicas no segundo caderno, sob o título Da Arte de Falar Mal. Lança Matéria de Memória.

1963 - A Civilização lança em livro uma coletânea de suas crônicas. Com outros escritores, lança o livro Os Sete pecados capitais: Guimarães Rosa, Otto Lara Resende, Lygia Fagundes Telles, José Condé, Guilherme Figueiredo e Mário Donato. Começa a colaborar na Folha de S.Paulo, revezando-se dia sim dia não com Cecília Meireles na página de opinião.

Cony escrevendo
Cony escrevendo

1964 - Escreve e lança Antes, o Verão. É processado pelo ministro da Guerra. Escreve o conto Sobre Todas as Coisas para o livro Os Dez Mandamentos, coletânea que reúne outros escritores, como Jorge Amado, Orígines Lessa, Marques Rebêlo e outros.

1965 - Pede demissão do Correio da Manhã. Lança nova coletânea de crônicas, Posto Seis. A pedido de Wálter Clark, escreve uma novela para a TV-Rio, Comédia Carioca, com Eva Vilma, John Herbert, Sady Cabral e outros. A censura retira a novela do ar depois de 27 capítulos. É preso na porta do Hotel Gloria (Rio) por ocasião da abertura da conferência da OEA. Com ele, são presos Antônio Callado, Flávio Rangel, Márcio Moreira Alves, Thiago de Mello, Glauber Rocha, Joaquim Pedro de Andrade, Mário Carneiro e o embaixador Jayme Azevedo Rodrigues. Serão vinte dias na Polícia Federal da rua Barão de Mesquita.

Paulo Gil Soares filma Matéria de Memória, que será terminado por Fernando Campos sob o título O Homem e Sua Jaula.

Cony com Otto Maria Carpeaux em 1966
Cony com Otto Maria Carpeaux em 1966

1966 - Lança Balé Branco. Recusa o convite de Tancredo Neves para se candidatar na chapa dos deputados federais pelo Rio de Janeiro. Escreve novo romance, Pessach: a Travessia. Começa a trabalhar para as Edições de Ouro, atual Ediouro, fazendo adaptações, traduções e textos para o leitor infanto-juvenil.

1967 - Lança Pessach: a Travessia e o ensaio Chaplin. Integra a equipe que lança o jornal-escola O Sol. Escreve Quem Matou Vargas, que é lançado em capítulos na revista Manchete. A pedido de Paulo Francis, começa a escrever contos para os "livros de cabeceira" da Civilização Brasileira. Viaja para Havana, via Paris, Praga e Moscou.

1968 - Regressa de Havana. Lança a coletânea de contos “Sobre todas as coisas”. A Verona Filmes lança a versão cinematográfica de Antes, o Verão, com Jardel Filho, Norma Bengell e Hugo Carvana. Recebe o convite de Adolpho Bloch para entrar no grupo Manchete. Primeiro encontro com Juscelino Kubitschek. É preso no dia 13 de dezembro ( AI-5) no Batalhão de Guardas, onde divide a cela com Joel Silveira.

1969 - Libertado nos primeiros dias do ano, lança em maio a revista Ele Ela. Começa a trabalhar no projeto das Memórias de JK.