Biografia - Década de 50

Cony e Regina Celi em 1951
Cony e Regina Celi em 1951
1951 - Nasce sua primeira filha, Regina Celi.
Mãe Cony, Julieta, em 1951
Mãe Cony, Julieta, em 1951

1952 - Ingressa oficialmente no jornalismo (registro no Ministério do Trabalho) como redator da rádio Jornal do Brasil, tendo como colega Reynaldo Jardim. Escreve programas musicais, sobretudo os dedicados às óperas e aos concertos de Paulo Fortes e de artistas que se apresentavam na PRF-4, inclusive a orquestra de Francisco Canaro e o pianista Carmem Cavallaro.

1954 - Nasce sua segunda filha, Maria Verônica.

 1955 - Começa a escrever um romance, Cadernos do Fundo do Abismo, que não termina. Engata outro romance, O Ventre. Interrompe o romance para viajar com o Corpo de Baile do Teatro Municipal, visitando Recife, João Pessoa e Maceió. Termina o romance e o inscreve, sob pseudônimo, no Concurso de Literatura patrocinado pela Secretaria de Educação e Cultura em associação com a Academia Brasileira de Letras.

O pai adoece e fica afastado do jornal por uns tempos. Carlos Heitor o substitui oficiosamente, cobrindo o Gabinete do Prefeito e colaborando na seção de artes e literatura do jornal (esta massacrante fase de sua vida está mais ou menos descrita em Quase Memória)

Primeiro romance: O Ventre
Primeiro romance: O Ventre
1956 - Sai o resultado do concurso. O Ventre é considerado o melhor romance, mas negam-lhe o Prêmio Manuel Antônio de

Segundo romance, lançado pela Civilização Brasilieira.
Segundo romance, lançado pela Civilização Brasilieira.

Almeida (50 mil cruzeiros) devido ao caráter negativista e à linguagem rude de seu trabalho.

Escreve em apenas nove dias outro romance, A Verdade de Cada Dia , para pegar a nova data da inscrição.

1957 - Ganha o Prêmio Manuel Antônio de Almeida (seu pseudônimo foi Isaías Caminha) e escreve outro romance, Tijolo de Segurança, inscrevendo-o sob o pseudônimo José Bálsamo. Ganha novamente o prêmio.

12 de setembro de 1957 - Data macabra para a literatura brasileira: morre José Lins do Rego e o editor Ênio Silveira, da Editora Civilização Brasileira comunica que vai editar O Ventre.

Colabora no Suplemento Dominical do Jornal do Brasil, ali publicando artigos sobre cinema, literatura e balé. É dessa época o ensaio sobre Chaplin, que sai em capítulos seriados(mais tarde reunidos em livro).